quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Viagem ao Equador e à Colômbia



Dando continuidade ao Projeto América do Sul, a aventura dessa vez será em direção ao Equador e à Colômbia. Foram poucos dias para uma maior exploração desses países, então houve a necessidade de priorizar o que queria conhecer, dentro do tempo disponível. As capitais serão sempre contempladas nesse Projeto.








A viagem ocorreu em dezembro de 2013, por 12 dias e ao contrário das Rotas 1 e 2, houve poucos deslocamentos por terra.
  • Planejamento


Em princípio estaria nos EUA, mas por circunstâncias de ordem privada fui obrigada a desistir na semana de embarque. Sobraram as férias! E o que fazer com elas passou a ser objeto de especulação...

Turquia, Jordânia, Rota Maia surgiram em minha mente. Mas o tempo era curto e teria que providenciar tudo em uma semana, do roteiro às passagens e hospedagens.  Então ganharia o  que estivesse mais à mão, isto é, o que fosse mais viável naquele momento. Dessa forma estabeleci alguns critérios:
  1. O tempo de deslocamento não fosse muito: ganhou a América do Sul.
  2. País desconhecido: EquadorColômbia,VenezuelaParaguai,Guianas...
  3. Destino que já tivesse feito algumas pesquisas, até mesmo um roteiro básico: Equador, Venezuela e Colômbia.
  4. Destinos próximos que pudessem ser percorridos em no máximo 15 dias: Colômbia, Venezuela e Equador.
  5. Um roteiro enxuto, sem grandes aventuras: Equador e Colômbia.
Então a próxima viagem será para o Equador e a Colômbia. Diferentemente de outras vezes, não tive muito tempo para um planejamento meticuloso e apesar de tentar montar alguns passeios no Equador com algumas agências de turismo, para facilitar, não tive êxito com as do Brasil (uma me cozinhou por cerca de 5 dias e não foi hábil o suficiente para montar o que eu tinha proposto). Outras duas tinham pacotes fechados que incluíam Galápagos), e a única que consegui manter contato no Equador, confirmou inicialmente a minha proposta, para em seguida retornar com outra, oferecendo o que eu queria com a condição de ter que ir para Galápagos.

Não, não tenho nada contra o maravilhoso Arquipélago de Galápagos, que até pretendo um dia ir. Mas esse não seria o melhor momento e nem fazia parte dos objetivos que tinha traçado para essa viagem. Lembram-se: Pouco tempo e sem aventuras?

A solução foi resolver por minha própria conta e risco. As passagens foram compradas e como era de se esperar, com pouco tempo não encontrei preços camaradas. 

Então, vamos ao roteiro prévio.

EQUADOR
Saio de Recife com destino a São Paulo e lá sigo direto para Quito, capital do Equador, onde ficarei três dias e os objetivos são:

  1. Conhecer o patrimônio histórico e cultural da capital
  2. Ir à Linha do Equador e subir no TeleferiQo para admirar a cidade das alturas.
  3. Conhecer a Feira de Otavalo.
Neste país, tenho como objetivo conhecer também a cidade de Cuenca e para chegar lá a ideia inicial é utilizar o trem. Porém, organizar este trecho está sendo a maior dificuldade de todo o roteiro. Depois de muito pesquisar encontrei o site atual da empresa que faz esse percurso. No entanto o trajeto completo, que vai de Quito até Guayaquil, tem dias específicos. Na realidade é um roteiro turístico no Tren Crucero, onde se pode percorrer todo o percurso ou partes dele, incluindo a Avenida dos Vulcões e o Nariz del Diabo. Infelizmente fora de cogitação, pois não há saídas nos dias em que estarei em Quito. Como a minha intenção é conhecer esses dois trechos e há rotas alternativas, verei se será possível realiza-las no caminho para Cuenca. Caso contrário seguirei de ônibus de Quito para Cuenca.
Objetivos:

  1. Avenida dos Vulcões
  2. Percorrer o trecho no Tren Nariz del Diablo.
Em Cuenca, além de visitar o seu Centro Histórico, pretendo conhecer, se  tempo houver , as Ruínas de Ingarpica (ruínas incas).

Voarei direto de São Paulo para Quito pela TAME, empresa equatoriana que este ano começou a fazer voos diretos para o Brasil.


COLÔMBIA
De Cuenca retornarei para Quito de onde, por via aérea (AeroGal), chegarei em Bogotá, na Colômbia. Deste país apenas a capital e a famosa atração da cidade de Zipaquirá, a Catedral de Sal, serão contempladas. De Bogotá retornarei direto para São Paulo pela LAN.

Apesar de já saber como retornarei de Cuenca para Quito, ainda não sei como chegarei até aquela cidade. O que será resolvido quando estiver na capital equatoriana. Tentarei ir por trem ou ônibus, mas se ficar operacionalmente complicado, farei o trajeto por via aérea.

Dessa forma a Rota será:

Recife=> Guarulhos (TAM)
Guarulhos=> Quito (TAME)
Quito=>Cuenca (a definir) Definido em Quito.
Cuenca=>Quito (TAME)
Quito=> Bogotá (AeroGal)
Bogotá=> Guarulhos (LAN)
Guarulhos=> Recife (TAM)


  • Documentos Necessários
Para a Colômbia, desde maio de 2009, não é necessário apresentar passaporte ou Certificado Internacional de Vacinação contra febre amarela para brasileiros. É suficiente a Carteira de Identidade Nacional Civil(RG), em bom estado de conservação e fotografia recentemente. Passaporte pode ser utilizado. Para isso é necessário que tenha pelo menos 6 meses de validade a contar desde o início da viagem, como também folhas suficientes para os carimbos de entrada e saída dos países. Como sempre, prefiro viajar levando o passaporte, mesmo porque em algumas atrações é solicitado para ter acesso ou o seu número, para adquirir bilhetes. 

Não há mais exigência de passaporte para entrar no Equador,  no entanto pode ser pedido o Certificado Internacional de Vacinação contra a febre amarela. É melhor se prevenir com a vacinação.

Para ambos os países, os brasileiros estão isentos de visto à turismo para permanência de até 90 dias. Quaisquer outras informações mais detalhadas e atualizadas podem ser obtidas no site do Ministério de Relações  Exteriores http://www.mre.gov.br/
Segundo informações do Ministério de Relações exteriores, todos os países que fazem parte do Mercado Comum do Sul, o Mercosul, ou sejam membros associados, não solicitam passaporte nem visto de entrada para permanência de até 90 dias. 

  • Seguro de Viagem
Não é obrigatório, mas é altamente  recomendado.

  • Idioma
O espanhol é falado por mais de 94% da população e o quíchua também é pela população indígena.

  • Dinheiro
No Equador a moeda utilizada atualmente é o dolar americano (1 US=2,3 reais).  
A moeda na Colômbia é o Peso Colombiano(COP), na ocasião (dezembro/2013) 1 R$=828,00 pesos colombianos. 1 US= 1.950 COP.

Utilizei Visa Travel Money(VTM) sem problemas, tanto para pagamentos como para saques em caixas automáticos, em ambos os países.


  • Deslocamentos
Utilizei o site da Decolar para as compras de passagens internacionais (Quito-Bogotá, operado pela Aerolineas Galapagos) e São Paulo-Quito, operado pela TAME, No site da TAM (operado pela LAN) comprei  o deslocamento de Bogotá para São Paulo. As passagens aéreas nacionais foram operados pela TAM.




Atualização apóa a viagem


Como se sabe, um roteiro sempre pode sofrer alterações. Tanto podem ser devidas a impedimentos alheios a nossa vontade, ou porque acrescentamos algo que passa a ser do nosso interesse durante a viagem.

Nesta, saí do Brasil com um esboço do que gostaria de ver no Equador e na Colômbia. Neste ultimo, quase tudo saiu conforme tinha programado, com exceção de algumas atrações onde não foi possível visitar em virtude do pouco tempo disponível. Porém, no Equador, uma das atrações que mais gostaria de ter ido, não consegui chegar. Isso porque dei preferência a um dia de tour até Otavalo e não sobrou tempo hábil para percorrer a Avenida dos Vulcões. 

O que posso dizer agora é que deixaria de ir a Otavalo tranquilamente, para não perder a oportunidade de viajar pelas paisagens andinas entremeadas de vulcões, mesmo que não fosse a bordo de um trem, como mais gostaria.

Outra atração que tinha programado ir e não fui, o TeleferiQo. O dia disponível em Quito não estava com boas condições meteorológicas e não tive coragem de arriscar, subindo a mais de 4 mil m.s.n.m e não ver nada. Quem sabe não fica para uma próxima viagem?

Desta forma, depois de passar  três dias em Quito, um deles na viagem para Otavalo, segui de avião para Cuenca. No dia seguinte, em um tour compartilhado, viajamos durante três hora com destino a Alausi, de onde embarcamos no trem para percorrermos os 12 km da ferrovia até o ponto alto El Nariz del Diablo. Na viagem de retorno à Cuenca, visitamos as ruínas incas de Ingarpica.

O tour feito à Guayallabamba,  Otavalo e Cotocachi foi adquirido em uma agência de viagem (Ecuador Trips Access) localizada na mesma rua do hotel onde fiquei hospedada  em Quito. Como também o tour privado ao Centro Histórico de Quito e ao Complexo Metad del Mundo.  Custo-benefício não foi bom. No primeiro caso porque foi uma excursão com muitas pessoas e como todas elas, ficou a desejar. No segundo, porque foi um tour privado e para o que foi oferecido, o valor foi caro. Junto com essa agência organizei a viagem para Cuenca, incluindo passagem aérea, traslado privado (aeroporto-hotel), guia e tour privado em Cuenca. Tour compartilhado ao trem Nariz del Diablo, visita às Ruínas de Ingarpica e lanche, além do traslado aeroporto-hotel(em Tababela) na última noite em que fiquei em Quito, antes de embarcar para a Colômbia. Dessa vez o preço foi justo, tudo ficou conforme o que estava proposto. Apenas o tour em Cuenca foi prejudicado, pois houve um grande atraso no voo da Tame

Em Bogotá, no próprio Aeroporto, foi contratado um tour privado e terceirizado (Tours Shalom)para uma visita ao Centro Histórico, Museu Botero e Cerro Monserat. Essa precipitação(não recomendável) se deu pelo fato de ter chegado muito cedo à capital colombiana e o check in no hotel ser a partir das 13 horas, como também não achei viável deixar a bagagem no aeroporto para depois ir busca-la, já que o trânsito é intenso e o hotel ficava no lado oposto. O ponto positivo da agência foi poder deixar minha bagagem por lá, enquanto seguimos para o tour, utilizando taxi e em grande parte caminhando.

Os outros passeios em Bogotá preferi fazer de forma independente, utilizando taxi para ir ao Museu do Ouro e transporte público para Zipaquirá, onde visitei a Catedral de Sal.

  • Hospedagens 
Pelo Booking fiz a reserva no Hotel Excelsior, em Bogotá. Pela Decolar fiz as reservas no Boutique Hotel Plaza Square, em Quito e no  Hotel Inca Real, em Cuenca.  O motivo que pesou na escolha desses hoteis foi a localização. Os dois do Equador, por estarem no Centro Histórico de Quito e de Cuenca. No caso da Colômbia, a escolha se deu por conta de ser uma zona hoteleira, já que no Centro histórico de Bogotá não é recomendado. 

Através da agência Ecuador Trips Access, foi feita a reserva para a última noite no Equador, voltando de Cuenca e antes de embarcar para a Colômbia, na Hosteria San Carlos de Tababela, próximo ao Aeroporto Internacional Mariscal Sucre, em Tababela, cerca de 44 km de Quito. 

Algumas impressões dessas hospedagens veja aqui.



O Roteiro (aqui)

Por onde andei:


Impressões

Bogotá
Passei pouco tempo na cidade e por isso posso ter prejudicada a minha avaliação, mas foi o suficiente para ver que se trata de uma grande metrópole com todos os seus pontos negativos.

O transito é caótico, principalmente nas ruas do Centro Histórico, onde existem poucos semáforos. Aliás, achei a região precisando de uma melhor conservação. Na zona norte, onde fiquei hospedada, as avenidas são largas e extensas. Os prédios modernos e muitos deles revestidos com o tijolo aparente. Aqui diferentemente do que se vê em outras cidades andinas, a influência indígena não fica evidente. Você não encontra os mestiços e suas roupas típicas por onde passa. 

Os pontos altos ficam para o sistema público de transporte, o Transmilenium, e o maravilhoso Museo del Oro.

Quanto à segurança, fiquei um pouco apreensiva já no desembarque. Nunca tinha visto, em aeroporto, um aparato militar tão ostensivo. Na área de  resgate das bagagens, policiais fortemente armados com cães farejadores. Situação que você presencia em todos os setores por onde passa. No entanto nada que seja importuno. Depois de algum tempo você relaxa e se sente até protegida. Aliás, até agradecida, pois se não fossem os simpáticos militares que estavam no Centro Histórico no início da noite, teria amargado horas para conseguir um taxi até o hotel. Pois já estava por mais de uma hora tentando conseguir sozinha.

Fui com grande expectativas conhecer a Catedral de Sal, em Zipaquirá e, provavelmente por isso, tenha ficado aquém do que esperava. Mesmo assim é um passeio interessante e vale a visita.

A Colômbia é um destino interessante e se oportunidade outra tiver de voltar, ficarei mais um tempo na capital e, com certeza seguirei para o norte, para Cartagena das Índias.



Equador
Apesar do seu território pequeno, o Equador possui muitos atrativos, afinal a sua diversidade geográfica nos mostra uma multiplicidade de paisagens que por si só já valem uma visita ao país. Mesmo porque sua pouca dimensão facilita o deslocamento em um curto intervalo de tempo.

Eu me senti segura por onde andei, apesar de nunca me descuidar em qualquer local. Com relação à custo de vida, comparando com o Brasil, é um país mais barato, mesmo com uma economia dolarizada. Mas isso foi em dezembro de 2013, quando o dolar não estava extremamente valorizado em relação a nossa moeda.

Apesar da fama de Otavalo, para mim foi uma viagem que ficou aquém das minhas expectativas. Se tivesse que refazer o roteiro, com certeza priorizaria uma viagem pela Avenida dos Vulcões, em detrimento de Otavalo. Numa outra oportunidade, se tiver de ir ao Equador, Galápagos possivelmente entrará no roteiro.

Quito me surpreendeu positivamente, principalmente o seu conservado Centro Histórico. Só espero que o fato de haver toda uma campanha para a ocupação dessa área pela população, não haja uma degradação desse patrimônio  histórico.


 Sites úteis






Nenhum comentário:

Islamização da Pérsia

Para disseminar o Islã, Maomé e, principalmente, seus sucessores agregaram multidões de fieis e se lançaram à conquista de novos territóri...

Mais Populares